exames de retinopatia diabética

Exames de retinopatia diabética têm queda drástica em função do Covid-19

De acordo com o Conselho Brasileiro de Oftalmologia, os exames de retinopatia diabética tiveram uma queda de 2,3 milhões, em razão da Covid-19. Por isso, descubra como é feito o teste e o que fazer depois do diagnóstico.

Exames de retinopatia diabética

Os exames que detectam a presença da doença são de fundamental importância. Porém, devido às restrições de afastamento social, muitas pessoas deixaram de realizar o teste e cuidar da saúde ocular.

Assim, o aumento dos casos de cegueira é um fato previsto para o futuro da população brasileiro, caso a falta de acompanhamento médico continue. 

O que é retinopatia diabética

É uma doença que afeta os vasos sanguíneos oculares, devido à alta quantidade de glicose no sangue. Dessa forma, a retina pode ser danificada pelo mau funcionamento vascular do órgão.

Nesse sentido, é fundamental que as pessoas diabéticas realizem os exames de retinopatia diabética, a fim de assegurar que a condição esteja sob tratamento. Afinal, o maior risco que se corre nesses quadros, é de cegueira.

O perigo de não realizar os exames

Por ser uma condição que não demonstra sintomas iniciais, é necessário realizar o exame com frequência. Assim, é possível descobrir a doença antes que ela alcance estágios avançados.

Aliás, a principal função dos exames de retinopatia diabética é a prevenção da piora da doença. Afinal, quando o diagnóstico é feito a tempo, os tratamentos são mais eficazes e há mais chance de melhora do quadro do paciente.

Porém, quando a pessoa deixa de fazer o exame, a evolução do problema se torna muito mais rápida. Assim, as formas de terapia produzem menos resultados benéficos.

Importância dos exames

Em função do grande índice de pessoas que deixam de realizar esse tipo de detecção da doença, o Conselho Brasileiro de Oftalmologia cria campanhas para a promoção da saúde ocular.

Existe uma série de conteúdos que explicam os efeitos da falta de exames para a saúde dos olhos. A preocupação é motivada pelo rápido desenvolvimento da doença que danifica os vasos de dentro da retina.

Além disso, a propaganda estimula o tratamento pelo SUS, já que 20% dos pacientes desenvolvem a forma grave da condição nos olhos. Por isso, é essencial consultar um médico e realizar check-ups.

Grupos de risco

No geral, os exames de retinopatia diabética mostram que pacientes do tipo 1 e 2 podem sofrer mais com os sintomas nos olhos. Além disso, essas pessoas possuem o risco maior de ter problemas pela Covid-19.

Por essa razão, muitos deixaram de fazer o teste. Segundo pesquisas, o maior número de pessoas que não fizeram os exames é do sexo masculino. Por outro lado, os estudos mostram que as mulheres aderem à prevenção.

Portanto, é preciso tomar os cuidados higiênicos para evitar o contágio pelo Coronavírus, de forma que as consultas permaneçam em dia.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *