Como saber se tenho estrabismo? Descubra aqui as características dessa condição

O distúrbio ocular chamado de estrabismo costuma surgir com mais frequência em crianças. No entanto, alguns adultos podem se deparar com a seguinte questão: será que eu tenho estrabismo? Como posso identificar a doença?

Na verdade, existem alguns fatores que podem interferir na sua visão e causar o estrabismo. Por exemplo, problemas neurológicos ou infecciosos podem ativar essa doença ocular. Descubra tudo sobre os sintomas e tratamentos.

Será que eu tenho estrabismo?

Quando vemos alguém estrábico, percebemos que os dois olhos da pessoa não conseguem se fixar no mesmo ponto. Ou seja, o paralelismo entre os dois olhos do paciente é afetado, e eles acabam apontando para direções distintas.

Se você percebeu que sua visão está duplicada, esse pode ser um sinal de estrabismo. Para não chegarmos a conclusões precipitadas, é preciso identificar quais são os sintomas.

Sintomas da doença ocular

Uma das características principais dessa doença é que seus sinais podem se manifestar de forma intermitente ou contínua. Além disso, costuma ocorrer uma mudança na aparência física dos olhos.

Agora, você deve estar pensando: se eu tenho estrabismo, posso ter outros sintomas além desse que é mais evidente? Confira abaixo outros indícios que a doença ocular pode apresentar:

  • Visão dupla (conhecida também como diploplia). Geralmente pode ser percebida em adultos;
  • Olhos desencontrados e/ou descoordenados, que não conseguem se alinhar em uma direção ou sentido;
  • A percepção da profundidade dos objetos pode ser alterada;
  • Dores de cabeça e torcicolos podem surgir por conta de inclinações de cabeça frequentes.

Quais são os tipos de estrabismo ?

Existem três classificações distintas para o estrabismo, de acordo com suas características manifestadas em cada paciente:

  • Esotropia ou convergente. Ocorre quando o desvio de um ou dos dois olhos apontam para dentro, ou seja, em direção ao nariz;
  • Exotropia ou divergência. Neste caso, os olhos acabam sendo desviados para fora, o oposto do tipo anterior;
  • Hipertropia ou vertical. Aqui, um olho costuma ficar mais alto que o outro, algo causado por um deslocamento de cima para baixo.

Tenho estrabismo, mas o que pode causar essa doença ocular?

Muitas pessoas pensam: tenho estrabismo, mas não sei o motivo! Calma, chegou à hora de entender quais são as principais causas para o surgimento desse distúrbio ocular:

  • Grau muito elevado de hipermetropia;
  • Doenças oculares, como a catarata congênita;
  • Dificuldade para coordenar a movimentação ocular;
  • AVC e outras doenças neurológicas;
  • Síndrome de Down e outras enfermidades genéticas;
  • Meningite e doenças infecciosas;
  • Tireoide;
  • Diabetes;
  • Questões de hereditariedade.

O estrabismo infantil e adulto

É importante destacar mais uma vez que o estrabismo costuma ser uma doença que atinge muitas crianças. Inclusive, essa é comum em bebês de até 6 meses de idade.

Contudo, os sintomas podem não ser tão aparentes para os pais e responsáveis dessas crianças pequenas. Como o bebê se acostuma com essa falha ocular, pode ocorrer a perda progressiva da visão.

Com efeito, a visão dupla pode ser ignorada pela criança e retornar como uma queixa apenas durante a vida adulta. Se você está convencido – tenho estrabismo! – a doença pode ter surgido a mais tempo do que você imagina.

Quais são os tratamentos para estrabismo?

Finalmente, vamos conferir quais são os tratamentos adequados para casos de estrabismo em crianças e adultos. Como os sintomas, os recursos terapêuticos podem variar de acordo com a faixa etária dos pacientes.

Para tratamento de crianças, a prescrição médica costuma ser:

  • Cirurgia corretiva;
  • Óculos de grau bifocais;
  • Uso de Tapa-Olho;
  • Prescrição de colírios;
  • Aplicação de Toxina Botulínica nos olhos.

As intervenções médicas em adultos são, geralmente:

Lembre-se que em caso de dúvidas, você deve sempre procurar um oftalmologista. Afinal, tenho estrabismo ou não? Somente esse profissional da saúde poderá diagnosticar e confirmar sua dúvida.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *